Auditoria Cidadã da Dívida realiza Consulta Popular para debater Dívida Pública e Reformas Neoliberais

Na última quinta-feira (19/01), o Núcleo São Paulo da Auditoria Cidadã da Dívida, realizou uma Consulta Nacional Popular que debateu as “modificações legais que privilegiam o Grande Capital em detrimento do Bem-Estar Social”. O evento, que ocorreu na sede da Nova Central Sindical de Trabalhadores/SP, em São Paulo, teve a organização da FESSP-ESP (Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos no Estado de São Paulo) – juntamente da Auditoria Cidadã da Dívida – e a participação de dezenas de dirigentes sindicais de entidades filiadas à Federação, entidades coirmãs e convidadas.

Representando a Auditoria Cidadã da Dívida (Núcleo São Paulo), estavam: Carmen Bressane, coordenadora do Núcleo; Ana Cardoso e Giulia Pierro, ambas coordenadoras adjuntas.

O presidente da FESSP-ESP, Lineu Neves Mazano, deu início ao evento ressaltando a importância do debate sobre a questão da Dívida Pública do país. “O Brasil está na UTI, porque as contas do país estão subordinadas aos grandes bancos e ao capital financeiro. O intuito desse evento é, novamente, informar a real situação do país para os nossos dirigentes sindicais, para que eles possam replicar esse conhecimento para as suas bases, pois só assim conseguiremos uma forte revolta popular contra essa retirada de direitos que está acontecendo com a Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista”.

Lineu Neves Mazano, presidente da FESSP-ESP.

Lineu também destacou as deliberações definidas em outras agendas que debateram a questão da Reforma da Previdência. “A pedido do deputado federal Arnaldo Faria de Sá, entramos com um pedido no CONAR (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) para denunciar as publicidades enganosas que o Governo está fazendo sobre a Previdência. Dizendo que se não efetuarmos uma reforma, em 3 anos não teremos dinheiro para pagar os nossos aposentados, o que é uma falácia, visto que estudos feitos pela Auditoria Cidadã da Dívida comprovam que a Seguridade Social é superavitária”, finalizou Lineu Mazano.

Palestra

Carmen Bressane, coordenadora do Núcleo São Paulo da Auditoria Cidadã da Dívida, após a fala de Lineu Mazano, realizou uma apresentação onde abordou os problemas ocasionados pela Dívida Pública, a conjuntura atual do país (e o que foi feito no passado para termos chegado nesse momento de crise) e expôs questões de reflexão que serão utilizadas na construção da campanha da “Consulta Nacional Popular”.

“Os grandes problemas de nosso país são oriundos da Dívida Pública e da forma como ela está sendo apresentada e isso é algo que precisa ser resolvido, caso contrário seremos levados ao abismo. Nós, como brasileiros e brasileiras, temos o dever de debater e compartilhar essas informações, pois não podemos aceitar isso de forma passiva. A Consulta Popular Nacional tem como principal objetivo informar o cidadão comum do que está sendo feito com o seu dinheiro”, explanou Carmen. A coordenadora também apresentou dados da previsão do Orçamento Geral da União para o ano de 2017. “Conforme previsões, teremos um orçamento de 3,399 trilhões de reais para 2017, sendo que desse valor mais de 50% será usado para pagamento de juros e amortização da Dívida. Como um país consegue crescer gastando mais da metade de seu orçamento com pagamento de juros? É impossível”, destacou Carmen.

Em relação ao Cenário de Crise, Carmen citou várias dificuldades que emperram o crescimento e somente colaboram para manter a país na crise que está. Entre essas dificuldades estão: os juros elevados praticados em nosso país, o lucro dos bancos – que aumentaram nesse tempo de crise – os “swaps cambiais”, as operações compromissadas, emissão de títulos da Dívida Externa e a possível volta da CPMF. “Essa política monetária trava o país e o impede de crescer. Já é mais do que conhecido que juros elevados não servem para controlar a economia”, ressaltou Carmen.

Sobre a Previdência Social, Carmen Bressane destacou que “a Previdência é muito mais complexo do que estão vendendo. O Governo não cita que a Previdência faz parte da Seguridade Social e esquece dos impostos que foram criadas com a finalidade de manter a Seguridade Social, como o COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social)“. Também citou a DRU (Desvinculação de Receita da União) que retira mais de 20% do orçamento da Previdência. “Como podem tirar dinheiro de algo que está quebrado? Se estivesse quebrado não teriam de onde tirar. Temos que desmascarar essas mentiras”, finalizou Carmen.

Após a brilhante palestra da Drª Carmen Bressane, o microfone foi aberto para que os presentes pudessem se manifestar e colaborar com sugestões de ações e indagações que serão usadas na Consulta Popular Nacional. Carmen informou que as perguntas serão definidas até o dia 10 de fevereiro e que o encontro do dia teve como objetivo a reflexão e informação, e não o de decisão.

Novas agendas serão marcadas para definição de encaminhamentos na elaboração da Consulta Popular Nacional. A FESSP-ESP parabeniza as coordenadoras do Núcleo São Paulo da Auditoria Cidadã da Dívida pelo brilhante trabalho que estão realizando em todo país e se coloca à disposição para unirmos forças para combater os ataques que estão sendo direcionados no aposentado e trabalhador brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *