FALA DO DIRETOR MAURO NO CONGRESSO MUNDIAL DA INTERNACIONAL DE SERVIÇOS PÚBLICOS EM GENEBRA

RESOLUÇÕES E DEFESA DE EMENDAS – DESTAQUE: APRESENTAÇÃO DE MEMBROS DA DELEGAÇÃO DA FESSP-ESP EM NOME DA CSPB E NCST

O 30º Congresso Mundial da Internacional de Serviços Públicos (PSI) que se reuniu em Genebra, Suíça, de 30 de outubro a 3 de novembro de 2017, reuniu mais de 127 países em Genebra, na Suiça. Na ocasião, diversos representantes de Delegações apresentaram Resoluções e Emendas ao Plano de Ação da Internacional de Serviços Públicos (PSI). Acompanhe tópicos do discurso de defesa da Emenda 15, “Por Uma Economia  Mais Justa”, alteração apresentada por: Fédérations CGT Mines Énergie, CGT Services Publics; Fédérations CFDT Santé-Sociaux, CFDT Interco; FO des Services Publics et de Santé, França. O SOC recomenda que esta alteração seja endossada.Fonte: (Pda. PSI P.28). Destaque para o Diretor Mauro de Campos, em nome da CSPB, FESSP-ESP e NCST.

Painel 5 – Serviços Públicos para Uma Economia Mundial Justa

 “La sección 4, Una economía mundial justa, expone la visión de la ISP para una economía mundial alternativa y justa. Articula los retos del aumento de las desigualdades, los cambios en el mercado de trabajo, el aumento escandaloso del poder de las empresas y el papel que desempeñan las instituciones financieras internacionales en el mantenimiento de las políticas y las prácticas neoliberales. Esta sección aborda la justicia fiscal, la deuda, el comercio, la corrupción, el desarrollo sostenible, el cambio climático, las pensiones y la digitalización.

A Seção 4, A Fair World Economy, expõe a visão da PSI para uma economia alternativa e justa mundial. Ele articula os desafios do aumento das desigualdades, das mudanças no mercado de trabalho, do aumento escandaloso do poder corporativo e do papel desempenhado pelas instituições financeiras internacionais na manutenção das políticas e práticas neoliberais. Esta seção aborda justiça fiscal, dívida, comércio, corrupção, desenvolvimento sustentável, mudanças climáticas, pensões e digitalização.

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO Nº 15:

ITEM 4.1.5, MUDAR, ADICIONAR: 4.1.5 “A alternativa requer um sistema econômico em benefício das pessoas, não em detrimento deles, que leva em conta suas conseqüências ambientais e sociais. Uma economia de gestão democrática que beneficia todos, exige um setor público forte para corrigir falhas de mercado, limitar excessos de poder, regular o funcionamento eficaz dos mercados e supervisionar a redistribuição para assegurar eficiência e justiça. Escolhas e decisões políticas em todos os níveis deve obedecer imperativos sociais e ambientais nos esforços para melhorar as condições de vida dos trabalhadores e das pessoas em geral.”

Discurso apresentado pelo Diretor Mauro de Campos, pela CSPB, FESSP-ESP E NCST, em defesa da Emenda “15” –

“Por Uma Economia Mundial Justa”.

Conforme informações da Auditoria Cidadã, radicada no Brasil, “desde a década de 70, entramos na fase do capitalismo financeirizado, fase mais brutal da exploração da classe trabalhadora. Em toda parte, até mesmo nos países desenvolvidos aumenta a desigualdade social, o desemprego, supressão dos direitos socials, privatizações, terceirização da mão de obra e a redução do tamanho do Estado.” Asseveramos que as profundas alterações nas relações de trabalho fortemente executadas pelas leis econômicas tem levado representações sindicais a enfrentamentos e desafios globais. Ao mesmo tempo, tomando como exemplo o Brasil, é flagrante o crescimento da dívida pública, tomada como prioridade principal pelo governo e suas leis econômicas, justificando todo tipo de barbárie e arbitrariedade contra os trabalhadores. A fragilidade dos poderes executivo, legislativo e judiciário, frente ao domínio do poder econômico, liderada pelo capital financeiro, levou ao rompimento a essência da natureza da ciência econômica, inserida no contexto das ciências humanas. Assim, entendemos que a economia deve respeitar os direitos sociais e levar o Estado a realizar políticas do bem estar social aos povos e nações. Desta forma, somos a favor da Emenda 15, pela efetivação de uma economia mundial justa ou seja, o povo acima do lucro e dos interesses corporativos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *